Direitos Humanos

O objetivo dessa página é abrir um espaço para a discussão de fatos e acontecimentos que dizem respeito aos Direitos Humanos, além de refletir sobre alguns pensadores e suas teorias. Artigos, papers e outras produções acadêmicas referentes ao tema também serão postas à disponibilidade dos interessados. (Em construção)

Thursday, June 19, 2008

Fato: A violência e a ética na mídia. Onde ficam os direitos do cidadão?



É com muito pesar que escrevo hoje esse post. Há cinco dias perdi um amigo muito querido. Wal Silva, radialista, produtor, profissional competente, amigo, e acima de tudo, um ser humano extraordinário. Brutal e covardemente assassinado com dois tiros nas costas, no centro do Recife em plena madrugada do sábado dia 14 de junho de 2008.
Ávidos por notícias numa cidade onde o crime e a violência não são, senão os maiores factos geradores e alimentadores de uma mídia insaciável, os veículos de comunicação da cidade, correram ao local a fim de registrar a tragédia. Não que se tenha que esconder. A cidade do Recife vive um caos. É certo. A segurança está falida e as autoridades competentes (?) pouco conseguem fazer para conter o avanço da criminalidade. Jargão??? Pode ser. Mas a realidade é que não há acção satisfatória na direcção de conter esse caos. Assim sendo, o que resta aos cidadãos? Fugir?? Seremos então nós, pessoas íntegras, trabalhadoras, cidadãos de bem, que teremos que abandonar nossa cidade e deixá-la entregue ao banditismo por falta de opção? Teremos nós que rezar todos os dias antes de sair de casa, pedindo proteção divina para voltar vivo ao fim de uma jornada de trabalho, já que os que devem dar segurança ao povo não o conseguem fazer??
A violência está sem medidas, e de certa forma, contribuímos nós, profissionais de comunicação para propagar essa vaga. Como assim? Pois não somos nós os responsáveis que estamos a veicular desmedidamente o que acontece, sem nos preocuparmos com os efeitos causados? Não somos nós, interessados em aumentar nosso público que, sem nenhuma preocupação executamos – sim, apenas executamos, como máquinas programadas – todos os dias a divulgação de crimes bárbaros, expondo vítimas, que deveriam ser tratadas com respeito e pudor?
Pois bem... No último dia 14 perdi um amigo, e alguns veículos de comunicação, ansiosos por prender a atenção do público, cada qual querendo a maior fatia, não apenas noticiaram o fato, mas expuseram a imagem do colega de profissão, morto, baleado, estendido no chão molhado pela chuva numa avenida do centro do Recife.
Indignada que fiquei, enviei um mail de protesto a um jornal que expôs foto na capa. Depois fiquei a saber que outros veículos também fizeram o mesmo. Como não vi, não posso falar do que “ouvi dizer”.
Mas segue a mensagem para o jornal Folha de Pernambuco:

MAIL ENVIADO PARA A FOLHA PE EM PROTESTO PELA CAPA DO DIA 15/06

A Folha de Pernambuco e a falta de ética

Achei um absurdo a postura de desrespeito desse jornal com um colega de profissão em publicar, no dia 15/06 uma foto tão grosseira, de um crime bárbaro na capa 1. Não bastasse o sensacionalismo, vocês ainda passam por cima da dor de amigos, parentes e de uma equipe de trabalho a quem Valdemir Silva era muito caro e que está muito sentida com tudo isso.
Sensacionalismo tem limites! E ética ainda existe. Será que se fosse membro da equipe da folha vocês dariam o mesmo tratamento? Teriam exposto a foto do corpo da forma com que fizeram? Aprendam a respeitar as pessoas, pois a realidade não está muito longe para nenhum de nós!
Indignada, deixo aqui meu protesto como amiga do Val Silva, cidadã desta cidade que a cada dia se afunda mais na criminalidade, e profissional de uma área que a cada dia se torna mais mesquinha, como é o caso da nossa comunicação e seus valores comerciais.
Eveline Alves

Pelo que obtive, junto a outros colegas que também escreveram, a seguinte resposta:

Colegas,

Para nós da Folha também não é fácil lidarmos com a violência diária. Não ficamos felizes em publicar tal notícia, mas não poderíamos ignorá-la. Segue abaixo o e-mail do nosso editor respondendo aos questionamentos.
Estamos à disposição,
KC

O mail do editor:

Katarina, também não é fácil, para nós da Folha convivermos diariamente com a enorme violência instalada em nossa Cidade. E aí? Vamos ignorá-la e deixar de divulgar os fatos? Inventamos a notícia? Criamos as fotos?
Concordo que a notícia publicada na nossa edição do último domingo é chocante. Porém, verdadeira. Entendo que alguns colegas do Sistema JCPM não tenham gostado da divulgação do fato. Mas, há muito tempo que este mesmo sistema, preocupado com a violência, divulga sim fotos e fatos da violência urbana nas páginas do JC e nas telas da TV Jornal.
Grato
HB

Pelo que não pude deixar de enviar uma tréplica, que segue mais adiante. A intenção, dita na resposta ao periódico, não é travar uma batalha sobre quem falou o que, mas chamar a atenção para a forma com a qual lidamos com a comunicação. Onde ficam então os direitos do cidadão, que além de fugir da própria cidade, rezar para chegar vivo ao fim do dia, tem que deixar, ainda em vida, desejo expresso que, caso aconteça algo, não se quer ser capa estampada nas páginas de polícia dos nossos jornais, nem fazer parte das edições dos jornais televisivos, onde reina a desgraça e o derramamento de sangue?
Onde está o direito à privacidade antes e depois da morte? Onde está o respeito ao cidadão? Onde está a ética profissional? Trocados por alguns Reais a mais ao fim do mês quando se faz a contabilidade da venda e dos anúncios? É para isso que vem servindo nossa comunicação? E eu aqui, inocentemente achando que ela existia para servir ao povo. Ao menos do que me lembro, foi esse o juramento que fiz quando me formei. Mudou alguma coisa? Perdi o bonde da história?

Juramento dos cursos:

Comunicação Social
Como Bacharel em Comunicação Social, prometo buscar meus ideais, seguindo a meta de trabalho que livremente escolhi. Comunicando com ética honestidade e responsabilidade, aquilo que aprendi. Prometo promover a aproximação entre as pessoas, para que possam compreender o sentido da comunicação na sociedade e na humanidade.

Jornalismo
Juro cumprir minhas obrigações como jornalista dentro dos princípios universais de justiça e democracia, coerente com as idéias de comunhão e fraternidade entre os homens, para que o exercício da profissão redunde no aprimoramento das relações humanas que resultará na construção de um futuro mais digno, mais justo, para que os que virão depois de nós.

Tréplica para a Folha de Pernambuco:

Caros,
O que se está colocando em discussão não é a questão de se ter ou não dado a notícia. Infelizmente foi fato. E acho sim, que deve ser divulgado, como o foi por todos os veículos. Da mesma maneira, também a violência deve ser denunciada. A forma de fazer a divulgação/denúncia é que poderia ter sido medida. Divulgar a foto do Wal Silva como vocês fizeram não contribuiu, nem trouxe nenhuma nova informação aos leitores, apenas agrediu à família e aos amigos.
A questão não é que “os colegas do Sistema JCPM não gostaram”. Eu não faço parte do Sistema JCPM, mas nem por isso passo ao lado de ter-me sentido agredida, como falei, como amiga, cidadã, e profissional.
É certo que também o facto de ser um colega de profissão poderia ter sido levado em conta pela editoria. Se é uma linha editorial adotada pelo jornal e que deve ser seguida, isso é lá uma questão interna. Mas que poupassem, ao menos em nome da ética profissional, as pessoas, os cidadãos, até mesmo independente de ser ou não um colega de profissão. Isso pode atrair certo número de leitores, ávidos pela desgraça alheia, mas lembrem-se de quantas pessoas vocês magoam em nome da comercialização de um periódico.
Não quero fazer disso uma guerra ou uma disputa sobre “quem disse o que”, não é esse o objectivo, muito pelo contrário. Wal Silva era uma pessoa tão extraordinária que até sua morte serviu para suscitar uma discussão útil e importante, que apenas ajudará nossa população a melhorar. Isso sim, é um contributo positivo.
Acho que, não apenas vocês, mas todos os veículos de comunicação dessa cidade deveriam fazer uma auto-avaliação crítica de conduta, levando em conta a possibilidade de mudanças. Será que não estamos nós, enquanto profissionais de comunicação, incentivando mais ainda a violência, em vez de combatê-la? Talvez esse posicionamento e a forma escolhida para a denúncia da violência que assola nossa cidade esteja causando um efeito contrário. Mostrando o despreparo do nosso sistema em manter a ordem e a segurança da população, e certa incapacidade em encontrar e punir criminosos, além da onda em massa de crimes, talvez estejamos apenas encorajando ainda mais a prática desses delitos, visto que o que se observa é, cada vez mais, o aumento do atrevimento dos bandidos.
Depois da banalização da violência vem a naturalização da situação. Não podemos simplesmente compactuar e propagar a idéia de que o Recife está assim porque é “normal”, é “consequência da modernidade”, “dos tempos”, enfim... Ou simplesmente porque “é o que é”. Essas ideologias “explicativas” nada dizem, nada acrescentam, e apenas tentam fazer com que a população se adapte à “realidade”, se acomode e se acostume. É exatamente isso que devemos evitar.
Espero que todos que porventura venham a ler esse email - principalmente os profissionais da área, chefes de editoria, repórteres e produtores, enfim - reflitam sobre o fato e sobre todo o resto.
Cumprimentos a todos,
Eveline Alves

7 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Eveline, vc está coberta de razão, a imprensa, especialmente a FP, não está preocupada com as pessoas, a preocupação é com o lucro, é vender, vender e vender. Eles sempre fizeram isso e com Wal não foi diferente. Quanto mais chocante melhor, um absurdo. A TV Jornal vai na mesma linha com Cardinot. Estamos chocados e tristes por ver isto acontecer com alguém a quem queriamos muito bem. Um grande beijo. Baiano.

6:24 AM  
Blogger NósQuatro said...

Eveline,
aí está a resposta ao seu e-mail que segue agora em comentário ao seu post.
Perdemos nosso amigo, mas não podemos perder, também, a esperança. Se calamos diante dos fatos não haverá mais o que se fazer.

"Começar é sempre difícil... principalmente quando é um recomeço após perder alguém querido. Mas não poderia repassar sem deixar tb o meu repúdio e a minha indignação. Não vi a tal capa. Fui logo alertada sobre a falta de sensibilidade e respeito à vida humana. Aliás não leio tal jornal.
Ninguém está pedindo ou reclamando sobre a divulgação de notícias. É papel dos meios de comunicação informar as pessoas. Porém fazer uso da dor e aproveitar-se da morte de quem quer seja para aumentar as vendas é algo que devíamos ter vergonha e jamais praticar.
Infelizmente nosso estado possui um veículo sensacionalista que abusa de tais práticas e até consegue alguns leitores com isso. Mas querer que se acredite no discurso de que não criou a notícia e que por isso tem que se divulgar, aí já é demais.
Obviamente o fato aconteceu. Mas a forma como se veicula tal acontecimento é criado sim. A foto, da mesma forma. É o olhar da editoria, o pensamento de tal que manipula as informações para que se molde aos seus princípios.
Não é que sejamos deste ou daquele sistema de comunicação (não faço parte de nenhum deles) é a vida humana que é reduzida e diminuída todos os dias, seja pela violência ou pela exposição e comercialização dela.
Não é certo que tal fato seja encarado e reduzido a uma disputa de qual jornal expõe mais a "verdade". Temos que ter ética em tudo que fazemos e respeito pelo ser humano."

Simone Barros.

6:31 AM  
Blogger Tell Aragão said...

vermelha...
entendo a sua indignação... e ela é justa... mas, há tempos que nossos veículos de comunicação estão fazendo isso... e não podemos nos indignar só agora ou só quando acontece perto de nós... diariamente, memórias, pessoas, famílias, vidas são agredidas com tamanha exposição... é uma pena! lamentável!
saudade de tu!

3:24 PM  
Blogger tony said...

Pessoal, Concordo plenamente com tudo que foi colocado como motivo para repudiar a forma como são tratados pela imprensa - em especial pela Folha de PE - os crimes que acontecem em nossa cidade (chamaris para vender jornal). Mas lamento também que só agora, depois de ter acontecido com alguém próximo, se venha tratar do tema com tanta veemência. Lembro que o Folha de Pernambuco já está no mercado há alguns anos, fazendo exatamente a mesma coisa. Já deveríamos ter-nos revoltado e levantado a discussão há mais tempo. Como bem colocou Eveline, sobre a morte do companheiro Val que lamentavelmente eu não conheci: "sua morte serviu para suscitar uma discussão útil e importante, que apenas ajudará nossa população a melhorar". Mas que certamente já deveria ter começado bem antes e com toda força. Temos que nos inconformar, nos incomodar e procurar transformar situações como essa e isso independentemente de ser a vítima eu, você, algum amigo ou qualquer desconhecido.

Um grande abraço a todos.

P.S. Eveline, um grande abraço a você e que Deus a abençoe!!!

Eu também quero participar desta discussão.

tonyaraujo2006@gmail.com

7:02 PM  
Blogger Eveline Alves said...

Gente, também concordo com os que falaram que isso deveria ter sido feito antes. E apesar de TODOS nós sempre nos indignarmos, fomos até hoje incapazes de agir. Quantas e quantas vezes não vi colegas criticarem, e eu mesma também critiquei o extremo mau gosto dos nossos veículos de comunicação? Só que ficávamos sempre no plano de falar mal e não fazer mais nada. Acontece que cada um tem seu limite, e o meu chegou agora. Infelizmente teve realmente que acontecer com alguém próximo para que eu pudesse fazer minha parte, mas como se diz... Antes tarde do que nunca. Melhor falar agora do que calar novamente e continuar a criticar depois, sempre que vir coisas do tipo veiculadas. Foi o que chamei de "naturalização da situação". A gente acha que já está assim há muito tempo, não muda, virou "normal" e daí não fazemos nada pra mudar. Talvez a partir de agora a gente possa fazer. Parece utópico? Vai depender só da força e insistência de cada um. O que posso dizer é que, a partir de agora, serei mais militante quanto a isso e não ficarei apenas no plano de "reclamar entre amigos". Bjo a todos e a todas. Valeu demais a força!
Eveline

1:17 AM  
Blogger Aline said...

Line,

na vdd é como o pessoal já escreveu.Já faz um bom tempo que os meios de comunicação fazem um verdadeiro 'culto' ao massacre da vitímas da violência diariamente em tvs e jornais locais. É sim uma maneira de vender mais jornais e ter mais audiência mas é também uma falta de humanidade já que deixa exposto todo osofrimento de uma família.
Realmente quando a história chega próximo de nós,levamos um choque maior e caímos na real. Mas com osempre e me parece que em todo o Brasil a ordem e ganhar dinheiro e ibope sem medidas e aos custos do sofrimento alheio.
Desejo boa sorte e fé na recuperação emocional p família e para os amigos de Val, que foi mais uma vítima da cruel realidade que vivemos em Recife e em todo o Brail

ALine

3:36 PM  
Blogger quilombra dos palmares said...

Parabens pela postagem, Eveline!

10:36 AM  

Post a Comment

<< Home